IABAS assume Consultório na Rua na Zona Norte


em 03/05/2018

consultorio_na_rua

Desde o mês de abril, o IABAS atua diretamente no atendimento da população em situação de rua na Zona Norte de São Paulo. O cuidado é realizado por meio de uma equipe de Consultório na Rua, sediada na UBS Joaquim Antonio Eirado, que conta com médico, enfermeiros, assistente social, agentes comunitários de saúde e agentes sociais atendendo o território de Santana e Mandaqui.

O Consultório na Rua é uma equipe volante que faz o atendimento integral em saúde àqueles que não acessam as Unidades Básicas de Saúde (UBS). “A população em situação de rua, pelo preconceito que sofre, acaba não procurando espontaneamente um serviço de saúde quando precisam. O Consultório vai até essas pessoas, avalia, atende e faz articulação com os outros pontos da rede de acordo com as demandas”, explica Andrea Rosa, interlocutora de Saúde Mental e Consultório na Rua da Supervisão Técnica de Saúde Santana/Jaçanã.

Agente social no território desde 2016, Adriano Diniz conta com sua experiência de vida e profissional para realizar o cuidado do Consultório na Rua. “O meu trabalho é incentivar a reinserção social e a autonomia. Sou ex-morador de rua, e incentivo as pessoas também com a minha história de vida, para mostrar que ela também é capaz de se levantar”.

Estimular a autonomia das pessoas em situação de rua é um dos importantes papéis do Consultório, aponta Adriano. “A importância do trabalho da equipe é de dar para a pessoa condições de reaver a identidade, porque a gente perde isso na rua, de ela se valorizar e ver que é capaz”, ele afirma.

No início do trabalho, foi realizada uma oficina integrativa com a participação de toda a equipe. “A intenção foi lançar dados técnicos sobre as políticas de saúde e de assistência e também fazer uma integração com quem está chegando”, pontua a apoiadora de Saúde Mental do IABAS para a Zona Norte, Natália Soares.

A integração apresentou conceitos como o que é o Consultório na Rua, como ele funciona, qual é a função do trabalho e o que é o território, sobretudo para uma população que tem uma característica forte de migração, além da apresentação da rede de saúde da região.

“Essa capacitação é essencial. É isso o que vai nos preparar para ter conhecimento técnico do que estamos fazendo. Isso é importante numa equipe multidisciplinar: como são categorias diferentes, é necessário que todos falem a mesma língua e tenham conhecimento e visão do serviço”, ressalta Adriano.

Rebeca de Oliviera, assistente social do Consultório na Rua, pontua o acolhimento como o ponto positivo da capacitação. “Os conceitos apresentados são muito importantes para entendermos que fazemos parte de uma rede e que precisamos de capacitação para atuar nela”. A defesa dos direitos dos usuários e a articulação com políticas públicas, aponta, são conceitos importantes do trabalho da equipe, segundo ela.

“Os usuários são pessoas que estão inseridas na sociedade de uma forma cruel e excludente. O Consultório na Rua demanda que a gente se reinvente a toda hora pensando se o que é importante pra mim é também para o outro”, ela conclui.