NIR Jaçanã realiza mutirão de cadeiras de rodas


em 07/05/2018

nir

A cadeira de rodas que o pequeno Rian, 6, usa para suas sapequices já estava começando a ficar pequena. Por enquanto, nada que tenha atrapalhado as brincadeiras do garoto, mas a mãe já sabia que a antiga, usada há três anos, não seria útil por muito mais tempo. “Estava preocupada porque estava percebendo que essa ficou pequena e pensando no que iria fazer para comprar outra. Não teria condições”, conta Patriciana Santana, 28. Mas, agora, uma cadeira novinha está a caminho.

Nesta sexta-feira (4), Patriciana e Rian foram atendidos no mutirão de cadeiras de rodas no Núcleo Integrado de Reabilitação (NIR) Jaçanã. Esta foi a primeira vez que o NIR participou de um mutirão para solicitar as cadeiras. Foram feitas as medições para a produção de uma cadeira personalizada, adequada às necessidades do menino. Além de Rian, outras 14 pessoas participaram do mutirão no serviço. O prazo de entrega é de cerca de dois meses.

“Esse mutirão, não só na minha vida, como na de muitas pessoas que precisam, é muito bom, porque uma cadeira dessas não é barata”, ressalta Patriciana. Para ele, a mãe conta, a cadeira é imprescindível, porque é uma criança muito ativa: joga futebol, dança e faz capoeira. “Na escola, até para a independência dele, a cadeira faz muita diferença”.

O mutirão, explica Keitiane Domingues, supervisora do NIR Jaçanã, é promovido pela Secretaria Municipal da Saúde para atender aqueles que esperam por uma cadeira de rodas padrão. Muitos dos pacientes, como Rian, deram entrada no processo na Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), parceira do município, mas ainda não conseguiram ser atendidos. Eles aguardavam o novo equipamento desde outubro do ano passado.

SOLICITAÇÃO DE CADEIRAS

Regularmente, o NIR Jaçanã faz a solicitação de cadeiras de rodas para pessoas com deficiência. Aqueles pacientes que têm indicação para o uso do equipamento são avaliados pelos profissionais do serviço, que também indicam qual o modelo adequado. A solicitação é feita à SMS, que viabiliza a produção das unidades, e, quando prontas, o NIR faz a entrega.

Os atendimentos, frisa a supervisora, são realizados independente de perfil de renda ou se os pacientes fazem acompanhamento no serviço. “Mesmo que a pessoa não esteja em atendimento na rede do SUS, ainda assim ela pode receber a cadeira”.

“Se é um paciente que não precisa de terapia, só da cadeira, a equipe técnica faz a avaliação nas vagas extra. É um acesso rápido: de uma semana para a outra, o paciente já consegue ser avaliado”, afirma Keitiane.

Com este fluxo, o NIR já participou da confecção de 146 cadeiras de rodas desde o início de 2017: uma média de 9 unidades por mês. No mutirão, foram avaliados 15 pacientes em um dia, o que mostra a dimensão do trabalho.