IABAS assume gestão de duas equipes na UBS Santa Cecília


em 05/06/2018

A UBS Humberto Pascalli, em Santa Cecília, no Centro de São Paulo, agora conta com uma equipe de Estratégia de Saúde da Família (ESF) e uma Equipe de Agente Comunitários de Saúde (EACS) gerenciados pelo IABAS para ampliar o atendimento à população da área. As duas equipes começaram a ser montadas no final de março e atualmente estão concluindo o mapeamento do território.

As duas equipes irão atender cerca de 10% da população cadastrada na unidade, que é de 87 mil pessoas, afirma a supervisora das equipes, Carolina Peggian. O foco da atuação, ela explica, será na população em situação de vulnerabilidade, como ocupações, pensões e cortiços. “Como a UBS tradicional, como é o caso da Santa Cecília, não tem o trabalho de campo, não se sabia onde estava a vulnerabilidade. Estamos indo a campo para saber”.

Além do mapeamento das áreas mais vulneráveis, a equipe está atuando na identificação de equipamentos como escolas e igrejas que podem receber atividades e também fazendo a contabilização de domicílios em uma área específica. Quando o mapeamento for concluído e o território de atuação for definido, as equipes darão início ao cadastramento dos usuários.

Por ora, os profissionais das equipes estão participando da rotina da UBS para que se familiarizem com os processos e a região. Os ACS também estão participando de uma capacitação sobre temas como o que é o SUS, a atenção primária em saúde e o processo de trabalho.

Atualmente, a UBS Santa Cecília conta apenas com o atendimento no modelo tradicional. A EACS irá trabalhar de forma integrada à unidade: o acompanhamento mensal será realizado pelos agentes, e as consultas médicas serão realizadas pelos profissionais médicos da UBS.

Já a ESF leva a atenção à população de acordo com o contexto familiar em que está inserido. “O ser humano não é apenas uma queixa de saúde, ele precisa ser observado dentro de um contexto biopsicossocial. Quando atendemos a família, conseguimos enxergar pormenores e promover uma intervenção mais adequada”, explica Carolina. Entre as vantagens decorrentes do modelo, aponta, estão as discussões de caso e a realização de um cuidado mais amplo, inclusive com atividades de grupo.