IABAS participa da Semana de Luta Antimanicomial


em 05/06/2018

IMG_20180518_144215849

Unidades de saúde mental gerenciadas pelo IABAS na Zona Norte e no Centro de São Paulo celebraram, entre os dias 14 e 18 de maio, a Semana de Luta Antimanicomial. O movimento potencializou ações com o objetivo de conscientizar a população sobre o preconceito ainda existente em nossa sociedade com as pessoas portadoras de transtornos mentais. Inclusão social, reabilitação psicossocial e direitos humanos foram os eixos propulsores da semana.

No Caps Infantojuvenil III Santana, a semana começou com a peça teatral “Loucura não se prende”, encenada pelo Grupo Teatral do Caps Itapeva. A atividade foi realizada com a participação dos usuários de várias unidades da região Norte. A apresentação serviu como pano de fundo para a discussão sobre o que a sociedade civil pode fazer para mudar a realidade na cidade, no país e nos serviços.

Na terça-feira, foi exibido o documentário “Dá pra fazer”, seguido por um curta-metragem fruto de uma produção autoral dos moradores da SRT Mandaqui junto à Supervisão Técnica de Saúde Santana Jaçanã no CEU Jaçanã. O curta apresenta depoimentos emocionantes acerca das vidas dos moradores, com relatos sobre as nuances dos Manicômios, os períodos de internação que passaram e de como são suas vidas hoje, em liberdade com mais autonomia e podendo fazer escolhas.

MURAL 2

O Parque da Juventude recebeu mais de uma centena de pessoas, entre trabalhadores, usuários e familiares, para a Mostra Cultural do dia 16. O evento contou com Roda de Samba, Roda de Capoeira, Dança Circular, Flash Mob, Sarau Poético, confecção de Mandalas e também uma oficina de produção de cartazes para exibição no ato do 18 de maio.

Envolver familiares, usuários, amigos e vizinhos foi o objetivo do Café da Manhã com a Comunidade, promovido pelo Caps Adulto II Jaçanã no dia 17. O serviço foi apresentado, com uma discussão sobre o cuidado realizado com os usuários do Caps. A unidade abriu as portas para que a comunidade pudesse conhecer o trabalho, e colaborar com o desenvolvimento do serviço.

O momento de integração e responsabilidade social foi marcado pela inauguração do painel de pintura dentro da unidade, construído a partir da articulação da rede do território por um grupo de artistas jovens e usuários ao longo de cinco meses.

A luta por uma sociedade mais humana teve seu ápice no dia 18 de maio, na avenida Paulista, onde todos os CAPS do município se uniram em manifestação e apoio a todas as adversidades, ao respeito pela pessoa humana, em força as muitas possibilidades de tratamentos adequados a singularidade e que possibilitem a reabilitação e inclusão social.

O palco do MASP concentrou cidadãos, usuários do SUS que estão dispostos a promover mudanças locais. Em consonância a este ato, aconteceram desdobramentos considerados muito importantes do ponto de vista terapêutico. Um desses casos foi a exposição de fotos produzidas por um adolescente usuário do CAPS III Infantojuvenil Santana, que retrata a ação da luta antimanicomial através do seu olhar.