HEAPN realiza primeira captação de múltiplos órgãos do Rio de Janeiro


em 05/04/2019

captacao

No último dia 15, o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes realizou a primeira captação multi orgânica da história do Rio de Janeiro. Neste procedimento, foi possível captar todos os órgãos de apenas um doador. Foram captados pulmão, coração, pâncreas, fígado, rins, córneas, ossos e pele. Procedimento durou cerca de 10 horas.

A equipe do Programa Estadual de Transplante (PET), juntamente com a Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT) do HEAPN são responsáveis por toda a logística das captações na unidade. Para este procedimento, foram necessários 4 carros, um helicóptero, 13 batedores da Polícia Militar, aviões de carreira, 20 médicos e 17 enfermeiros.

Segundo o enfermeiro responsável pela CIHDOTT, Gilberto Malvar, a Comissão vem fazendo história no Rio de Janeiro, e os resultados mostram a importância da atuação da equipe em todo o processo.

‘‘É de grande satisfação para a equipe saber que todo o trabalho incansável teve um excelente resultado, deixando mais um marco na história do Adão Pereira Nunes, estamos muito felizes em poder salvar tantas vidas com nosso trabalho’’, conta.

Outros marcos do HEAPN

O Hospital Estadual Adão Pereira Nunes foi também responsável pela primeira captação de pulmão do Rio de Janeiro, procedimento que não era realizado em solo fluminense há 10 anos. A cirurgia foi realizada pelo Instituto do Coração (INCOR) de São Paulo, em parceria com equipe do Programa Estadual de Transplantes do Rio de Janeiro (PET).

Além de ser recordista em captação de coração em 2018, em janeiro de 2019, a unidade também foi responsável pela captação de fígado e rins de um bebê de 6 meses, doador mais jovem do Rio de Janeiro. Sendo também o hospital responsável pela segunda captação de pâncreas do Estado, em 2019.

CIHDOTT do HEAPN tem humanização e excelência no atendimento como diferencial

Referência em uma série de seguimentos, o HEAPN conta com a Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT). Fundada 2006, a Comissão tem a humanização como diferencial do atendimento. Em 2018, obteve uma taxa de 62% de conversão, que é o número de doações efetivas em um total de casos de morte encefálica viáveis.

Segundo Programa Estadual de Transplante (PET), em 2018, foram cerca de 170 captações de órgãos e tecidos realizados na unidade. Além de morte encefálica, o HEAPN também realiza trabalho de captação de córneas em pacientes de coração parado, ou seja, pacientes que já foram a óbito e são doares em potencial.

Para isto, toda a abordagem é feita de forma diferenciada, é que a equipe da CIHDOTT é altamente preparada para este atendimento. Além de dispor de um espaço confortável e sem ruídos para as reuniões com os familiares, os profissionais possuem pós-graduação e cursos em captação, doação e transplante. Estes cursos oferecem técnicas de abordagem aos familiares de potenciais doadores.